sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

A mágica do verbo

Vyšehrad Cemetery, Prague


Durante anos o velho sentia fraqueza e dores. Pedia ajuda com a vergonha dos que se acostumaram a servir e a ser fortes.
Amigos e familiares ouviam complacentes, mas logo voltavam a lhe solicitar atenção e comportamentos habituais.
Quando o diagnóstico foi feito e uma simples palavra adentrou a vida familiar, em segundos todos se fizeram presentes  pranteando a futura morte anunciada.
 

em 13-02-2015

2 comentários:

Eduardo Oliveira disse...

Como sempre, seus textos fazem pensar sobre a condição humana.

Angela disse...

Querido Dudu,
somos humanos e assim sendo, basta que estejamos atentos e interessados, concorda?
Obrigada por tanta atenção.