segunda-feira, 20 de maio de 2013

Reencontro




escultura em cemitério - Viena


Quem vinha por ali parava tocado pela doce imagem do casal em  seu beijo de reencontro. Ao se apoiar na lápide percebiam a pedra muito quente, mesmo que não houvesse sol.


escrito em 18-05-2013

10 comentários:

Moacir Alves disse...

Toda fricção gera calor, ainda que seja tão somente de intenções...

Angela disse...

Moacir, vc é portugues?
Pois pensa como se fosse. O Povo portugês, muitas vezes, não conhece metáforas, não entende linguagem simbólica.

O casal é de cimento e pedra e estão adornando um cemitério...mas a paixão com que se reencontram,ainda que sem vida, aquece a matéria externa...
ficou claro agora?

virgi disse...

La pasión es así, desprende calor y calor.
Besos

Angela disse...

Grata Virgi!
É tão bom ser compreendida...
beijo.

americo ayala jr. disse...

Depois dessa, somente uma palavra: lindíssimo!

Eduardo Oliveira disse...

Lindo, Angela. Sem palavras;

Angela disse...

Queridos Eduardo e Américo Ayala.
Fico muito feliz com o apoio de vocês.
Abraço forte aos dois, um para cada! :D

Juan Yanes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Juan Yanes disse...

Qué bonito, Angela... pero no podemos vivir sin metáforas. Todo el lenguaje está hecho de metáforas. El mundo es una metáfora. Besos

Angela disse...

É isto mesmo Juan! Seremos também uma metáfora? Creio que somos muitas ao longo da vida. Isto quando não nos tornamos arquétipos vivos!
Um beso!