segunda-feira, 30 de maio de 2011

A expectativa alheia




não sabia mais quem era e o que fazia no mundo. A família não percebia seu desespero, pois estaria em paz não fosse a aflição deles em levá-la ao médico, obrigando-a a tomar remédios e jamais permitindo que vivesse a tranquilidade que, afinal, conseguira alcançar.


escrito em 28-05-2011

2 comentários:

dudv disse...

Interessante. Muitas vezes, esta obrigação de ser jovem e tomar remédios nos afasta cada vez mais da ideia serena da morte. A família achava que estava fazendo um bem para ele, não percebendo que estavam o aprisionando.

Angela disse...

Dudu, tem razão, mas creio que não é a obrigação de ser jovem, mas a dificuldade em lidar com a velhice, a dor e a morte.
O que achei interessante foi eu ter visto esta imagem como de uma mulher, ter escrito no feminino e vc viu como ELE!