domingo, 6 de junho de 2010

Sem fio

Mosaico de Conímbriga, com labirinto e Minotauro : Photo Manuel Anastácio - Archaeological sites in Portugal

Caminhava perdido e com medo pelas ruas da cidade desconhecida e violenta. Ao encontrá-la num bar, não sabia que era filha do chefe do tráfico. A moça o orientou e entregou-lhe o número de seu celular com um bilhete. Em caso de perigo, estaria a postos para auxiliá-lo. Chamava-se Ariadne.

escrito em 06-06-2010

2 comentários:

dudv disse...

Muito interessante a relação que você faz da atualidade e o mito. Eu acho que o mito continua vivo em nós. Bela história.

Angela disse...

É sim Dudu, trazer para um celular o fio de Ariadne é uma forma de renascer a história.
O mito continua vivo porque os Arquétipos não são vivenciados ou experimentados como tais, se manifestam como imagens simbólicas através dos mitos, da arte, dos sonhos e fantasias.