sábado, 6 de março de 2010

novos valores de referência



Moravam ali desde quando o bairro tradicional era calmo. Perderam o sossego quando as festas constantes passaram a seguir pela madrugada com som altíssimo e os jovens a gritar pelas ruas, reagindo com palavrões aos pedidos de silêncio. No prédio, tocam à porta só para perturbá-los. Trotes e telefonemas a cobrar os obrigaram a desligar seus aparelhos. Ao atender a campainha prontos a pedir um pouco de clemência foram deixados quebrados e ensanguentados à porta do apartamento. Identificados e inquiridos sobre a razão da violência, os garotos alegaram estar saturados de serem importunados pelos velhos.


escrito em 05-03-2010

4 comentários:

dudv disse...

Triste. Muito triste o que acontece com a humanidade.

Angela disse...

às vezes acho tão ridículo que dá vontade de rir. A prepotência dos jovens anda pior do que a do presidente!
Mas juro que acabo certa de que teria que ser assim, que faz parte dos ciclos da vida e que um declínio de império acaba sempre neste caos!

ISAAC SOUZA disse...

Angela, parabéns pela forma clara e objetiva com que mostra a realidade.
É lamentável ler um texto como este e constatar que o cotidiano de muitas pessoas é igual -e por vezes pior do que o retratado.

Angela disse...

Obrigada Isaac.
Há muito a lamentar, hoje. E já houveram outros tempos semelhantes.
E, uma pergunta que não precisa ser respondida se não desejar. Porque ter como ícone a águia americana? Admiração pela cultura norte americana ou sobre a ave própriamente dita?