sexta-feira, 10 de julho de 2009

A manta

Conch Shell, Hawaii - webshots.com




Solitário e melancólico, passeava pela praia quando avistou a concha. Levou-a ao ouvido quase automáticamente e espantou-se quando uma voz feminina muito doce cantou um convite insinuante. Venha logo, também estou só e à tua espera. Ulisses ainda levará dez anos longe de Ítaca. Enquanto isso, teceremos uma bela manta de esconder solidão.

escrito em 10-07-2009

8 comentários:

um branco colorido disse...

Esse tear é muito trabalhoso...
Cuidado ao tecer, para que esta manta nunca fique pronta!

Anônimo disse...

Querida amiga e irmã nas Letras, que bom que você continua produzindo sua literatura, mesmo tendo passado recentemente por momentos tão aflitivos (espero que tenha recebido o meu e-mail). Há coisas em você, no seu trabalho, Angela, que são encantadoras, como o seu quase total (ou mesmo total) desprendimento em relação ao que possam ou não possam compreender os leitores e visitantes. Você cria o seu texto e pronto. É admirável isso. Bom exemplo é este 'A Manta', que menciona o longo retorno de Ulisses a Ítaca. (estou rindo aqui) Você não está nem aí para o fato de que apenas um punhadinho de gente conhece um pouco de mitologia. E não é maravilhoso mesmo poder escrever o que se quer e mandar às favas os baixos percentuais de entendimento do povo que navega na Web? Adorei também aquele seu outro conto/crônica interessante e instigante, da mulher esfaqueada, porque mesmo depois de terminada a leitura... o texto continua se desdobrando dentro da nossa cabeça. Parabéns, caríssima Angela! Dennis

dudv disse...

Sublime!!!

Anônimo disse...

Uma brincadeira agora: quem poderia ser o poeta capaz de narrar a 'lulodisséia' e contar o retorno do Brasil ao tempo em que não havia nesta terra quem lesse livros ou compreendesse minimamente o mundo, hein? / Dennis

Angela disse...

Um branco colorido ou doce menina Luz

É certo que a manta não pode se completar... perderia a graça do desafio!
obrigada por trazer-me sua luz!

Angela disse...

Meu querido Dennis!
Sempre dignificada por sua presença!
Embora cansados, estamos melhores à cada dia.
Sabe amigo, sempre acredito que é melhor fazer uma apresentação de música de Câmera do que um show na praia de Copa.
No caso deste conto, Ulisses poderia ser José e Ítaca, Fernando de Noronha. O mito tem isto de amplo e universal, é sempre verdadeiro e atinge a todos ou quase, sem o congresso do conhecimento intelectual. Acho que afino por aí!

A outra história é semi verídica e tem sim, várias possíbilidades, ainda mais dentro de uma mente brilhante e criativa como a sua!

Angela disse...

Dudv
Obrigada querido! Este seu "sublime" já está decodificado em meu sentimento. Obrigada

Angela disse...

Dennis
Temos fobias semelhantes: vc pelo PTLula e eu pelas americanalhices.
Nossas sombras!?
Tentei , sem a menor pretensão a ser poeta grego e sem tempo para tão longas falas, escrever minha versão Lulética. Te enviei ontem, já tarde e exausta. Nem sei bem o que saiu... só para brincar contigo. beijo, meu querido amigo.