sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Porto final



Caminhava pelas areias colhendo conchas e pedaços de vida marinha. Em sua cabana enchia cestos e mais cestos com as quinquilharias cheirando a sal. Entre os lençóis colecionava dores e partidas, perdas e desencantos. Quando sentiu que chegava a seu porto final, espalhou tudo pelo chão, sacudiu os lençóis e chorou muito, chorou tudo e tanto que se fez oceano.

escrito em 10-12-2008
para meu pai que encontrou seu porto final fazem, hoje, vinte anos.

5 comentários:

info-excluído@pessoa disse...

Se colheu, encheu e coleccionou esse mar de coisas, sem dúvida que se fez oceano.
Belos textos e fotos.

dudv disse...

Lindo!!!!

Angela disse...

Obrigada @pessoa

dudv
Os portos e os mares , faróis e amarras de cais sempre foram atrativos pra mim, como musas. O mar me inspira.

Stefano Valente disse...

Uma recordação lírica que deixa a alma vazia de tudo que não tem importância... e enche-a com as ondas.

Seu pai está sorrindo...

Angela disse...

Caro Stefano
Você sempre tão sensível e gentil!
Um abraço forte.