terça-feira, 23 de outubro de 2007

Ofélia

Agnieszka Motyka - Ofélia



A chuva fina caía e tingia a tarde de cinzento embora a grama brilhasse com os tons que o verde teima em mudar quando se despede da luz.
Ela olhava o grande e escuro lago e balançava na grade o corpo incerto entre a promessa verde de mais uma manhã e a entrega às águas profundas, quando presentearia com suas angústias a escuridão definitiva.

Escrito em 03-10-07

5 comentários:

eduardo disse...

Você escreveu uma bela imagem

125_azul disse...

Tomara que possa escolher, mais leve, a grama verde. A primeira parte do conto descreve na perfeição o dia de hoje aqui...
beijinho

Angela disse...

Eduardo
Você gostou da imagem que descrevi. Conhece a história de Ofélia em Hamlet? é bonita e triste.

125_azul
Um dia, sempre estaremos na outra escolha, a natural, obrigatória e que devia ser tranquila, um descanso...
Aí vocês estão no Outono e aqui estamos em meio a uma chuva que arrasa a cidade! melhores dias virão!?

JG disse...

Angela, hoje já é tarde e encerrei as lides. Mas amanhã não posso nem quero resistir em levar um destes belos microcontos.

Se há coisas boas na Net é a descoberta. E hoje já valeu o dia.

Obrigado Angela, fico-lhe grato.
E se me permite, um beijo

Angela disse...

jg
fico lisonjeada! leva o que quiseres pois o prazer que teu blogue me proporciona é muito especial. Me divirto muito mesmo!
Um beijo pra ti também!
Obrigada.