sexta-feira, 19 de outubro de 2007

A costureira

Coco Chanel em seu atelier

Trabalhava com prazer, se considerava mansa e despida de agressividade.
Um dia, viu–se com outros olhos.
O tecido, suave e dócil, era dilacerado de um lado a outro pelos cortes de sua tesoura que, sem dó nem piedade, rompia–lhe a trama. Alfinetes e agulhas o espetavam, transpassando a pele. Depois, eram os pontos da máquina como um trem correndo na campina, inclemente e barulhento. E, com que satisfação picotava as franjas nos vestidos! Sim, transformar era muito agressivo.


escrito em 12-10-2007

5 comentários:

125_azul disse...

Quase esquizofrênico, na verdade...

Angela disse...

125_azul
Acho que a tomada de consciência une as polaridades e não esquizofreniza mas integra. É assim que vejo!

eduardo disse...

Uma revelação... Me pôs para pensar...

CresceNet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Angela disse...

Dudu
Quantas coisas simples fazemos que são tão agressivas...
um abraço.