quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Meditação de um pires em um dia de glória




 Não sei porque sempre estive sob. Achava que era meu destino, assim como de toda minha grande família. Percebi que, fossem pardos, rústicos, branquelos e delicados, metálicos ou transparentes, todos suportavam um peso e estrutura bem maior, sendo ainda depositários de objetos e outras coisinhas mais.

Em alguns momentos o suportado era frio ou gelado e me passava sua temperatura. Isto podia ser agradável se o tempo estivesse ensolarado e eu estivesse sob um céu azul. Se fizesse frio e me  passassem calor era adorável enquanto durava a parceria. Mas seria sempre uma condição servil e submissa, até que experimentei a glória.

Por alguma razão me elevaram aos céus de minha condição. Alguém me colocou delicadamente sobre o topo do objeto suportado, uma xícara fumegante com um odor maravilhoso. Alem de quentinho por inteiro, eu estava sendo, pela primeira vez, suportado. Podia olhar o alto, inebriado com a fumaça delicada de um belo liquido que ouvi chamarem : chocolate!

 em 03-10-2016

2 comentários:

Eduardo Oliveira disse...

Gostei muito deste, angela!

Angela disse...

Obrigada amigo!