terça-feira, 29 de dezembro de 2015

de muito longe



Os olhos de meu filho me observam sob as pálpebras cerradas pela morte. Eles me chamam de onde eu deveria estar e só me resta a vergonha por permanecer entre os vivos, pálidos e inúteis sem ele.

em 27-12-2015

4 comentários:

Carolina disse...

Nossa Angela, muito forte!! Gostei muito, bjs

Angela disse...

Obrigada pela visita Carolina!
este foi um que veio ao ler uma frase... engraçado como a inspiração ocorre...

Eduardo Oliveira disse...

Impactante, Angela

Angela disse...

Um beijo Dudv! Obrigada por vir.