quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Asfalto selvagem


 
Anoitecia, ele chegou junto da avó que trazia o bebê da creche, empunhou a arma e disse:- Deixa ele nu. Ta calor, não vai acordar. Coloca tudo no carrinho e vai pra casa com ele no colo. Não quero fazer mal,  vou levar pro meu que ta no barraco, pelado e com fome.


em 04-08-2015

2 comentários:

Eduardo Oliveira disse...

Forte! Conto impactante, Angela.

Angela disse...

É Dudu. Vi uma cena e imaginei o resto - uma senhora com bebê no carrinho depois das 18h no meio do trânsito em Botafogo. Cidade grande é caos puro!