sexta-feira, 26 de junho de 2015

Patacoada*



Datava seus contos e poemas em anos futuros, contava casos com pessoas imaginárias em lugares nunca visitados. Seu empenho era confundir possíveis biógrafos.


22-06-2015
*disparate, tolice, bazófia

2 comentários:

Eduardo Oliveira disse...

Adorei este. O que você acha sobre o direito da pessoar desejar ser esquecida, Angela?

Angela disse...

Depois deste já soube de um cara que faz isto com as datas...
Sabe o que acho? as pessoas tem todos os direitos sobre suas vidas desde que não prejudiquem outros. Ser esquecido deve ser morrer, de fato! Talvez melhor que virar estátua e receber cagadas de pombos na cabeça! :D