quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Espelho




Embora vampiroseu objetivo não era sangue. Ao dominar a presa, injetava-lhe sua própria forma e personalidade. Quando ela se tornava igual a ele, fazia sexo intenso com seu corpo. Apesar dos séculos, nunca conseguira resolver o impulso narcísico que o dominava.


01-01-2015

3 comentários:

Eduardo Oliveira disse...

Gostei deste conto, faz pensar em tantas coisas.

Angela disse...

Tantas maneiras de vampirizar, não é?
obrigada Dudu!

Angela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.