sábado, 12 de março de 2011

prisão alimentar



Ele tinha engolido os instintos, afinal era um homem racional, fino e elegante. Até o dia em que os bichos precisaram ser vomitados ou ele morreria. Colocou tudo para fora, mas continuou a sentir incômodos. Os sapos ficaram. Haviam gostado de morar em seu estômago sem feras.


escrito em 20-02-2011

2 comentários:

dudv disse...

Eu achei engraçado. Sempre desconfiei que os sapos eram mais espertos que todos.

Angela disse...

É sim, Dudu, eles se devoram entre si
e o sapo fica lá, com aquela cara sábia, coaxando.... :D