domingo, 2 de janeiro de 2011

sem saída


moto contínuo


Reclamava que ela falava demais, repetindo as mesmas coisas. Não percebia que, há anos, as questões eram as mesmas às quais ele jamais havia respondido.


escrito em 27-12-2010

2 comentários:

dudv disse...

muito bom

Angela disse...

Obrigada Dudu, é a vida...