quarta-feira, 14 de julho de 2010

Uma amiga incomum


Ao descer a escada de casa apoiado na bengala, sempre pensava que um dia acabaria caindo e morrendo do tombo. Foi então que ela escapou de suas mãos, rolou e, ao chegar lá embaixo, partiu-se. Sentado no frio degrau, juntou sobre o colo as partes da madeira. Acariciando o objeto que o suportara por longo tempo, vertia lágrimas agradecidas.


escrito em 12-07-2010

2 comentários:

dudv disse...

Acho interessante a relação afetiva com os objetos. Belo texto. A inspiração está em pleno vapor.

Angela disse...

Caro Dudu,
eu acho absurdo e prepotente considerar que apenas os seres humanos têm entendimento. Por mim, converso e me relaciono com a natureza em geral e com os objetos, talvez até melhor do que com os humanos que, tantas vezes são 'abjetos'!
Obrigada.