quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Um novo olhar

sem título- foto de eco

Últimos dias do ano. Desanimada, espiou o novo calendário. Cores de outono impregnaram sua vista cansada até encontrar, entre os dias marcados, profunda escuridão e nada mais. Presságio - ali terminaria sua jornada. Deixou cair a folha de papel e saiu ao jardim. Vagou ouvindo gorjeios, pés nas águas do rio. Ao acordar no novo ano, voltou a procurar o tal dia. Caído a seus pés, um pequeno quadrado escuro. Percorreu meses coloridos até encontrar o espaço recortado, denunciando o dia suprimido. Respirou fundo e agradeceu à vida.


escrito em 31-12-2009

2 comentários:

dudv disse...

Bonito! Encarar a morte como parte da vida é tão fundamental à existência humana. Sinto que a cultura do medo da morte ainda está impregnado em mim.

Feliz ano novo.

Angela disse...

Dudv,
não creio ser apenas cultural. A vida teme a morte, sua finalidade é viver!
Neste conto quis mostrar que tudo depende de como olhamos e sentimos. Quando a moça relaxou e aceitou, a vida retirou o que pareceu, à ela, em momento de cansaço, algo negativo!

Obrigada pelos votos! Desejo que você veja os novos dias, como possibilidades criativas e então... poderão ser!