sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Dias sem Sol

coruja - whebshots.com


Dalva havia sido acompanhante noturna de enfermos. O hábito de trocar o dia pela noite permaneceu mesmo após se aposentar e então conseguiu uma coruja como amiga e companhia. Mas havia uma vizinha que acordava ao raiar do sol e, com voz estridente, falava muito alto pelos corredores não permitindo que ela conciliasse o sono. Dalva, em vão, pediu silêncio , pois a mulher retrucava que hora de dormir era de noite. Uma tarde, ao cair do sol, quando a matraca ia se recolher, a coruja escapou. Voando sobre a tal, bicou-lhe os olhos até cegá-la.



escrito em 26-08-2009


10 comentários:

dudv disse...

Sem palavras. Muito bom!!!

Cris disse...

Angela,

Adorava ser sucinta e dizer tanto :)
Fascinas-me, a sério que sim!
E não vou falar mais...rsss
Beijo enorme

Angela disse...

dudv
O animal em nós, pode resolver nossas raivas! grata, sempre.

Angela disse...

Cris!
Adorava ser assim, bem humorada como tu!
beijo grato e carinhoso.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
V_ Leal disse...

bem hitchcock rs

Angela disse...

V_Leal
agradeço me lembrar d'Os pássaros'
e a visita também.

V_ Leal disse...

aí vc trocaria figurinha com o Jung rs

Angela disse...

V_Leal
Com Jung costumo trocar sempre! Acordamos nossos pensamentos embora ele nem precise me ouvir, me advinha!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.