terça-feira, 5 de maio de 2009

Pânico

imagem do filme creep



Nunca saía de casa, passava as noites acordado e tinha medo de mulheres. Para ele, exceto a mãe idolatrada, todas eram prostitutas. Depois que a velha morreu, não teve outro jeito senão contratar alguém para os serviços domésticos. A moça do interior, submissa e ignorante, passou a ser sua doentia diversão. Criava situações meticulosamente sádicas para que ela desmaiasse de pavor quase todas as madrugadas. Então ele a despia e ficava olhando seu corpo gélido e soluçante. Foi assim que conheceu os primeiros orgasmos.


escrito em 05-05-2009

7 comentários:

dudv disse...

Fiquei com medo. Narrativa nota 1000.

Angela disse...

dudv então escolha bem, caso vá trabalhar em casa de alguém! :D
obrigada.

Priscila disse...

Surpreendente como você muda de um estilo a outro, de um sentimento a outro e eu não sei dizer qual é meu favorito. =)

Angela disse...

Priscila Este é meu estilo: mutável :D
De repente... você também é ou está, mutável!

Priscila disse...

Provavelmente, querida. =3

Beto Guimarães disse...

Excelente conto , Angela. Não importa o estilo. Aliás, como se define um estilo?

Angela disse...

Obrigada Beto Guimarães!Sabe, companheiro de letras, nunca me preocupei com estilos, com títulos e outras coisas do genêro.

Etiquetas e suas colas grudentas causam aflição, não acha?