domingo, 2 de novembro de 2008

Claro-escuro

sem título - Magda Rebejko




Durante toda a vida evitou se aprofundar em qualquer coisa.
Só pensava em festas e prazeres até que a vida começou a não lhe dar trégua. Foi então que aquela compulsão se manifestou. Roubava óculos para sol de quem fosse, onde tivesse chance. Buscou um analista para entender o que parecia uma tentativa de não ver a realidade, mas descobriu que desejava conseguir, apenas, ver o escuro.


escrito em 08-10-2008

Um comentário:

eduardo disse...

Muito bom!!!! Precisava imergir na escuridão. Claridridade demais confunde muito.