sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Ausência

camademar- ajubel


Deitado na fria cama de areia olhava o céu. Via, nas nuvens, as formas da mulher amada que se fora. Anoiteceu e a Lua iluminou seu pranto ao som do coro das estrelas. Dormiu tão exausto de sofrer que a areia envolveu seu corpo num abraço protetor. Pela manhã, a primeira onda, compadecida, o levou.


escrito e publicado originalmente em Minguante

4 comentários:

dudv disse...

O texto é lindo e a imagem também.

Angela disse...

Obrigada Dudv
creio que já postei este belo quadro em Ideália.

Stefano Valente disse...

Que lindo, Angela — que poesia...

Traduzi-o logo nas "girafas"...

Angela disse...

Obrigada Stefano!
Já estava sentindo sua falta!