segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Criador

Aquarela - borboleta- desconheço o autor



Imagens em profusão, plenas de colorido, invadiam sua imaginação despertando sentimentos adormecidos. No entanto, a mente embaçada não encontrava códigos que as pudessem expressar. Em pleno inverno criativo, as sementes do novo ciclo jaziam, ainda, submersas.



escrito em 27 de setembro de 2007

6 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Angela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dudv disse...

Profundo, me identifiquei com seu texto, Muitas vezes, não tenho o instrumento necessário para materializar minhas idéias.

Angela disse...

dudv

É assim... eu faço o seguinte: relaxo, anoto alguma coisa, tõsca que seja, e espero ... um dia brota! e aí, quase sempre, de montão!

MA disse...

A Angela entrou dentro da minha cabeça.
Uma imaginação transbordante, cores quentes e desenfreados que não resultam num final materializável.
Mas acabo sempre por me reconciliar com o mundo porque a imaginação continua a existir dentro de mim.

Este conto excedeu todas as minhas espectativas, simplesmente genial.

Bem Haja Angela

Angela disse...

ma.

Um dia, florescem, germinam, você encontra o seu instrumento, o canal. É preciso ter ferramentas - tintas e pincéis, maq. fotográfica, lápis, argila, computador... seja o que for e então relaxar e deixar que o inconsciente da gente primavere!
bj. e obrigada.