sábado, 23 de outubro de 2010

lanterninha

hopper.ny-movie 1939

Emprego novo. Com a lanterna, iluminava espaços e lugares para os frequentadores do cinema. Quando a sessão começava e as pessoas se acomodavam, ela via o mesmo filme várias vezes, toda a semana. Foi assim que começou a pensar em sua vida. Como naquele trabalho, percebeu a repetição infindável de todos os seus casos amorosos. Vivia sempre a mesma personagem. Precisava, urgente, mudar roteiro e direção.

escrito em 22-10-2010

2 comentários:

dudv disse...

Adorei. As vezes me sinto assim.

Angela disse...

Tanta gente, não é Dudv? Poucos tem consciência, raríssimos mudam o script!