domingo, 31 de agosto de 2008

todo dia, todo dia...

toosoonatease-tela de jonathan-viner



Como responsável pelo acidente, o réu se dispusera a zelar por sua vítima, dando-lhe conforto e cuidados necessários.
Ele chegava com seu passo leve. Vinha manso, suave e por trás; mas ela o percebia, pois seu corpo tremia e se retesava.

O ritual era sempre o mesmo, sua impotência também. A casa fechada, mergulhada em silêncio, era cúmplice dos desejos daquele homem que a possuía, todo dia, desde que ficara à sua mercê, cega e paralítica.

escrito em 28-08-2008

4 comentários:

dudv disse...

Nossa, conto forte, mas a narrativa é ótima!!!

Angela disse...

Dudv
esta imagem me incomodou desde que a vi. A tomada fora do contato me pareceu tão proposital!

ma disse...

Este conto é mesmo "negro" e de alguma forma incomoda.

Beijinho

Angela disse...

MA
Acho que incomoda pois sabemos que é real, acontece por este mundo afora...não devia não é?