sábado, 23 de agosto de 2008

Descoberta

Nu - Filipe Pereira- olhares.com





Puberdade. Pela primeira vez ouve, na rua, um elogio masculino.Sozinha no quarto, ela se despe. Passa a mão pelos cabelos, pelo rosto. Se detém em cada detalhe e assim, desvenda seu corpo até os pés. Sons de prazer, contrariedade, espanto, satisfação, mapeiam seus caminhos, orientando a memória.O tato é seu espelho. Satisfeita, veste a roupa e o casaco.Pega a bengala, chama o cão. Sai.



escrito em 13 de julho de 2007
Postado em
IDEÁLIA a 8/13/2007

4 comentários:

eduardo disse...

Achei esto conto maravilhosos.

Angela disse...

Obrigada Eduardo
Eu tb. gosto especialmente dele. Inclusive acho interessante as pessoas acharem que a mulher é uma velha e não perceberem que é uma jovem cega!

Anônimo disse...

caeiro

gostei muito desse...

Angela disse...

Caeiro
Foi o que escolhi para publicar em papel numa antologia.