terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Assalto seguido de furto



Alta madrugada, céu límpido. Lua nova, talvez. Ao olhar para cima fui banhado por múltiplas gotas claras. Milhares de furinhos tilintando num céu imenso. Peneira furadinha de onde escorriam todas as luzes do outro lado do mundo, a claridão oculta da noite. Um grito súbito acende as luzes da cidade roubando-me o deslumbramento.



escrito em 25-02-2008

5 comentários:

PALAVRAS&POESIAS disse...

Lindo Angela. Incrível como fica melhor associar assalto e furto a coisas bonitas, a imagens melhores.
Beijo meu.
Ana Mello.

eduardo disse...

Muito bom mesmo!!! Uma pesia.

Angela disse...

Obrigada Ana!
Roubar-nos a poesia do Céu estrelado é um assinte!

Grata Eduardo!

Anônimo disse...

É realmente lindo o conto e a imagem.
O acender das luzes acaba com a beleza e o sonho e traz consigo a dura realidade.

MA

Angela disse...

Sim MA !
cidades estragam a nossa relação com a natureza!